No mínimo, luxo!

Olá, aqueles que nos seguem,

Deixei para o final, algo bem interessante, que nos faz pensar, e quero que vocês o façam também…sobre ambientes minimalistas em mostra.  Aproveito o finalzinho da Casacor RS para trazer esse pensar sobre o mínimo.

Vou expor aqui, dois ambientes que trouxeram o minimalismo para a Casacor na edição de Porto Alegre, RS. A suíte Área IN assinada pela arquiteta Lídia Maciel e a Suíte Duvet assinada pelo arquiteto Rafael Kroth. Ambas com o mínimo necessário para conotar o conforto e a sofisticação impresso na vertente minimalista.

E por que será, que em meio tantos ambientes na mostra, estes são notórios? Acreditamos que o mundo transcorre por esse caminho. O menor consumo, que leva à boas escolhas, de peças que duram muito, pensadas na tecnologia e no design que as tornam atemporais. Essa é a tendência.

Embora esses ambientes ainda em menor número, ganham adeptos e olhares instigantes. Inclusive, passam uma sensação de liberdade que procuramos na contemporaneidade. Ah,…sensação/sentido! Para perceber a riqueza destes ambientes, precisa-se despertar os sentidos e levá-los apreciar os mínimos detalhes. É lá que está a poesia do projeto. Normalmente técnicos, eles funcionam bem, além de expor com muito cuidado a vida que ali está. Os ambientes minimalistas trazem  riqueza em muito pouco. Isso os deixam interessantes, àqueles que estão dispostos a descobrirem seus encantos.

A quem pense,…é fácil fazer o minimalismo. Com certeza, não é. Poucos fazem com maestria. O minimalismo não é vazio. Bem pelo contrário, é cheio de referências em poucas e pensadas especificações. Isso é dificílimo de fazer com excelência. Sabe por que? Porque é preciso chegar lá no profundo, na essência de cada cliente ou conceito.  Ir na raiz. Resgatar tudo e materializar com o mínimo, transformando o ambiente no máximo de sua concepção.

Quando isso acontece, o resultado são ambientes poéticos, luxuosos, leves e atemporais. Acreditamos que a casa do futuro, bem ali, terá todos estes adjetivos, incluindo a simplicidade para ser plenamente feliz.

Vamos sentir os ambientes citados nas fotos de Cristiano Bauce:

Área In – Lídia Maciel

Suíte Duvet – Rafael Kroth

Que tal? Eu amei as duas suítes.

A raiz de cada uma, traduzida em luxo.

Essa sensibilidade exposta, é a mais pura materialização da arquitetura de interiores. A criação de espaços que traduzem a alma de alguém, proporcionando um ambiente que o usuário se identifique, se perceba, se sinta libre, e possa ser feliz todos os dias com o melhor que possa adquirir.

#casaderaiz #casacorrs #casacor #arquiteturadeinteriores

 

Suíte para ficar…pra sempre!

Olá seguidores, que descobrem sempre por aqui um projeto que encanta por sua concepção. Aquele que tem algo à nos dizer. Conceitual ou não, tem o pensar do arquiteto em cada detalhe materializado. Vamos lá…

Refúgio a Dois, projetada pela arquiteta karen Feldman, para a Casacor RS, é aquele dormitório que nunca acordamos do sonho, logo na realidade tudo se materializa. Ele trouxe um requinte sutil, expressado pelos materiais. Mesmo com abundância de mármore, a arquiteta soube dosar, com a madeira, permitindo o conforto e o aconchego que uma suíte exige.

Quando me refiro a sutileza do luxo expresso, me refiro a um ambiente que acolhe, e pode ser usado todos os dias, mesmo sendo luxuoso. Esse equilíbrio é muito importante e difícil de executar, principalmente em mostra.

Além da madeira, o carpete trouxe acústica e o toque de relaxamento ao ambiente, dizendo “entre e fique à vontade”.

No banho, os tons de cinza no mármore, dá um toque suave sem repelir, ou representar frieza, pois junto a madeira, promoveu o equilíbrio.

E o verde?! Ah, o verde que entra e amplia o espaço através das janelas, é deslumbrante. A permeabilidade que tem esta suíte, é muito interessante.

Este projeto se propôs, retratar um dormitório para um casal, e dentro do tema da mostra, se encaixou perfeitamente. Para nós é um dos destaques.

Veja tudo nas fotos de André Bastian:

Um lugar para renovar as energias!

#suíte #casacor #casacorrs #casaderaiz #arquiteturadeinteriores

Nosso olhar sobre a Casacor Rio Grande do Sul 2018

Olá seguidores,

O que posso dizer sobre a Casacor aqui no estado, após visita na última quinta, 02… A tarde estava apropriada para um olhar detalhado sobre os ambientes da mostra, que neste ano estavam com os tamanhos bem nivelados. Isto é muito interessante para que se ofereça ao público uma noção de realidade nos espaços, além de evitar estrelismo entre os profissionais.

Os ambientes funcionais estão bem resolvidos, como a bilheteria, o talks bambu, e o café, que veio com uma atmosfera intimista, contemporânea, com mix de uso,  e de bom tamanho. Os lavabos funcionais são elaborados, e inseridos discretamente no circuito. Além dos ambientes da casa aberta, de criação discreta, que podem receber o público com acesso direto…boa ideia!

A acessibilidade é sempre complicada na mostra, devido aos imóveis à disposição. E nesta edição, bem complicado o fato de serem três casas de cada lado da rua. Mas a curadoria técnica resolveu bem… “os arquitetos sempre tem um coelho belíssimo na cartola“. E a pintura artística como faixa de segurança, foi a grande sacada. Ainda sobre acesso, a quarta casa tem uma imensa escada que leva a vários ambientes, que é impossível de serem visitados por portadores de necessidades especiais. E aí fica a pergunta  sobre a arquitetura universal, que deveria começar nesse tipo de evento.

A arquitetura de interiores contempla a todos, inclui, e torna melhor o morar de todas as pessoas, principalmente aquele com necessidades diferenciadas“.

O paisagismo da fachada, além de expor vegetações lindas, foi primordial para amarrar tudo, assim como as áreas externas bem elaboradas. Notei que este ano poucos ambientes foram construídos, o que é excelente, pois não gera lixo, com a demolição. Achei apropriado  que esse ano a diretoria da mostra tem uma parceria com empresa que dá o destino correto para cada tipo de resíduo.

Alguns arquitetos e designers se apropriaram do tema dos espaços criando ambientes interessantes, alguns bem comerciais. Ainda  temos aqueles que parecem impor uma arquitetura oferecida igualmente nos anos anteriores. Outros que conversam e cativam o público com suas criações, e outros poucos, conceituais. Me chamou muito atenção, um ambiente em especial, que tentava simular a vida real, mas muito fora de proporção. Isto é ruim!

Sobre as tendências, mais do mesmo. Pouca novidade. Acredito que o público normalmente sedento por saber o que usar em sua casa, e até copiar, deve ficar decepcionado, se ele segue algum tipo de informação sobre o tema.

Deixei para o final para falar sobre o tema da mostra, e como foi materializado no geral pelos profissionais. A “Casa Viva” segundo Lívia Pedreira, diretora superintendente da Casacor, na ocasião do lançamento em outubro de 2017 em São Paulo, diz que o tema remete ao detalhe de convivência, promove experiências que emocionam, faz a conexão com a natureza, além de ser um organismo pulsante. Vamos lá…Vida é a palavra chave deste ano no evento Casacor, logo os ambiente precisam expressar a vida. Como? O verde não é suficiente. É preciso mostrar a vida acontecendo de alguma maneira. Percebi esse movimento em pouquíssimos ambientes. Ficou claro que projetar sensações, não é fácil. Principalmente quando existe toda a questão comercial de um evento. Mas não podemos esquecer que são elas que conectam o visitante ao projeto e consequentemente ao profissional. Por isso esse detalhe é importante e o projeto não pode se perder. Os criadores devem projetar com o foco de mostrar o seu diferencial, para a sobrevivência da classe. Acredito ser essa conexão que a Lívia Pedreira deseja para o evento.

Alguns ambientes, trouxeram uma riqueza de detalhes, chegando a poluir, inclusive em alguns que a função era relaxar. Os detalhes denotam vida, mas não em excesso. Este, que muitas vezes não nos permite ver a riqueza do projeto. Imagine a percepção do visitante! Outros minimalistas demais, sem humanização, clean, estático, logo sem vida.

Mesmo assim, o fato de serem residências, e ambientes pequenos, o evento já se aproximou do público. Começa aí uma conversa. Esperamos nos próximos anos, que além de materializar o tema, haja uma conexão maior com o ser humano, em todos os sentidos. Afinal, arquitetura é praticada por pessoas, feitas para pessoas, VIVIDA por pessoas. Simples assim!

#casacor #casacorrs #casaviva #arquiteturadeinteriores #casaderaiz